http://daltro.eng.br/wp-content/uploads/2015/06/Ban_Rezende.jpg

O grupo Rezende era composto por fazendas, granjas, frigorífico, fábrica de ração e fábrica de farelo de soja. Eu trabalhei na fábrica de farelo de soja e ração que ficavam na mesma área física. Na época, esta fábrica era considerada a mais automatizada do segmento. Posteriormente a fábrica de ração recebeu em grande parte de suas instalações, as automações necessárias, colocando-a no mesmo patamar do farelo para o seu segmento.
Voltei ao ambiente industrial como mais um integrante da equipe de instrumentação e automação, para posteriormente assumir a coordenação desta e da equipe de elétrica que, em muitos casos, trabalhavam juntas dado o interesse desta última pela automação e o diminuto número de colaboradores.
Gostaria ai de destacar que a referencia ao diminuto número de colabores devia-se diretamente ao fato do ótimo projeto de automação adotado e não por qualquer outro motivo.
Todo o processo de fabricação do farelo, refino, embalagem e fábrica de sabão eram 100% automatizados. Todo o sistema era controlado por CLP’s Rockwell família 5 interligados por rede DH+ cabeada e duplicada em fibra óptica. Cada etapa do processo tinha um desses CLP’s e um micro-computador industrial 486DX2, rodando sistema operacional OS2 Warp e supervisório Factorlink.
Embora os equipamentos da instrumentação recebessem alguma manutenção corretiva, a grande maioria recebia a manutenção preventiva. A automação recebia em 95% dos casos, uma manutenção planejada e pré-concebida em laboratório.
Numa parada programada, fizemos a troca dos computadores para processadores Pentium 233, mudamos o sistema operacional para Windows NT 4.0, instalamos 01 servidor e o supervisório compatível com o novo sistema. As alterações no supervisório, foram feitas por uma integradora a nós, coube a tarefa da instalação do servidor e rede além do comissionamento do novo sistema. Toda a arquitetura da rede de automação assim como as diretrizes de segurança e permissões de acesso foram por mim configuradas tendo em vista minha recente certificação naquele sistema operacional.
Destaque deste período foi a padronização dos automatismos e malhas de controle feita pela nossa equipe em laboratório e posteriormente implantada nos diversos CLP’s da planta.
Igual destaque foi a participação da nossa equipe no projeto de automação da fábrica de ração. Foram implantadas as partes mecânicas e elétricas durante vários meses sem que isto tivesse qualquer interferência no processo de produção, depois com um planejamento minucioso, das 18:00 horas de uma sexta feira até as 08:00 da segunda feira parou-se a produção e completou-se todo o projeto com 100% de sucesso.
Após esta implantação assumi a coordenação das equipes de elétrica e instrumentação e controle. Permanecendo neste cargo até minha saída da empresa. Infelizmente a empresa foi envolvida num processo cível que paralisou a produção por longo tempo e posteriormente o Grupo Rezende foi vendido para a Sadia.