http://daltro.eng.br/wp-content/uploads/2015/06/Ban_pec1.jpg

A título de esclarecimento, não consegui o logotipo da PEC Engenharia Ltda, por este motivo estou utilizando o logo da Transpetro que é a empresa para a qual eu, através da PEC, prestava serviço.
Minha missão na área do Terminal de Coari, era inicialmente gerenciar o projeto de reengenharia do software supervisório e lógicas dos vários CLP’s da Rockwell (família 5), além do acréscimo de hardware.
A equipe de trabalho era bastante pequena, apenas 3 profissionais, dada as condições do contrato, mas altamente comprometida. Afim de aliviar a carga de trabalho da equipe de desenvolvimento, eu tomei para mim a tarefa de gerar a documentação técnica do projeto, pois havia tempo para isso, além de auxilia-los nos testes finais em bancada e durante a implantação nos testes de campo, já que isso era a tarefa da fiscalização.
O que havia instalado era um supervisório Realflex interligado em rede DH+ com os CLP’s e fizemos a substituição destes por equipamentos utilizando o sistema operacional windows 2000, supervisório iFix conversando em 2 redes ethernet’s redundantes + uma rede DH+ de segurança. Além destes protocolos, que interagiam entre supervisório e CLP’s, passando por switch’s gerenciáveis com o protocolo VRRP afim de não duplicar os endereços IP’s dos controladores, haviam também a comunicação destes mesmos controladores com os equipamentos de campo via modbus, profibus além de comunicação TCP/IP via satélite com as estações de controle avançado assim como com a refinaria em Urucu.
Tendo em vista que estávamos em um terminal de transferência e armazenamento, as operações de implantação das lógicas e do supervisório eram feitas em etapas cuidadosamente planejadas pois a operação de carregamento de navios era extremamente cara e não podia tolerar atrasos e tudo isso estava contemplado em nosso cronograma, além dos vários testes destas mesmas implantações em laboratório.
Destaque deste trabalho foi a implantação do sistema hot-backup e hot standby nos supervisórios iFix. Na época, esta funcionalidade não era nativa do supervisório, mas era necessária para que não houvesse informações divergentes nos bancos de dados de ação e alarmes, o sistema hot-backup fazia a integração dos bancos de dados de 04 micro-computadores rodando iFix, ou seja, todos eles trabalhavam em um único banco de dados desta forma as informações eram idênticas em todos os terminais. Em segundo plano a atualização dos outros bancos de dados estava sendo feita e caso o conjunto de máquinas principal, encerrasse sua comunicação, automaticamente o segundo banco de dados passaria a ser acessado pelos sistemas. Além desta funcionalidade o hot-standby monitorava as redes ethernet’s e DH+, chaveando entre elas no caso de falhas.
Este projeto foi entregue antes do prazo acordado com o cliente.
Posteriormente foi solicitado pela Transpetro, um projeto para controle das amarras dos pier’s de carregamento. Tal projeto foi por mim desenvolvido e gerenciado utilizando CLP’s, células de cargas inversores de frequência e motores. A ideia era controlar a tensão das correntes (amarras) que prendem os pier’s em função da altura da água do rio.