http://daltro.eng.br/wp-content/uploads/2015/06/Ban_opcan.jpg

A título de esclarecimento, a ordem cronológica das contratações foi a seguinte: Seiaut Engenharia (PJ), Norcontrol Engenharia (PJ),Telvent S/A (CLT), Elfe (CLT). A NCCAutomação era a minha empresa, durante o período, onde também era instrutor de automação industrial e prestava serviços a várias outras empresas na área de automação.

Meu trabalho inicial, na área da Petrobras, foi uma consultoria nos sistemas de automação das estações de coleta e tratamento de petróleo. Iniciado na estação Dom João e posteriormente estendido às estações Pedra Branca, Palmeira, São Paulinho e Ferrolho. Foram encontrados vários pontos de melhoria nas lógicas dos CLP’s, o que otimizou a utilização da memória nos CLP’s o enxugamento da lógica de controle deu condições de instalação de outros instrumentos necessários no campo, aumentando a confiabilidade do controle.
Os softwares supervisórios também sofreram alterações significativas com a padronização das cores dos diversos estados dos equipamentos e a implantação do sistema hot-backup já disponível na versão 5.X do iFix.
Posteriormente foi feito um estudo nas condições e capacidades dos vários no-break’s instalados nestas mesmas estações. O resultado foi a eliminação de vários equipamentos obsoletos, manutenção preventiva nos equipamentos a serem utilizados e a efetiva utilização de 75% da carga disponível de cada equipamento. Desta forma pudemos fazer um sistema de hot-backup em cada estação com chaves estáticas externas, dando segurança total a alimentação ininterrupta da instrumentação e automação, garantindo a continuidade das informações de controle, mesmo na interrupção da produção por falta de energia prolongada nos motores e compressores da estação.
Um outro projeto que mereceu destaque neste período de atuação foi a transmissão de dados via rede de telefonia celular. Deve-se atentar para o fato de que, na época (2005) não era comum a transmissão de dados via rede celular pois os sistemas disponíveis eram o 1XRTT da operadora Vivo e o GSM das outras operadoras, junta-se a este fato a pouca relevância, para as operadoras, deste tipo de transmissão, pois o grande faturamento era a fonia. Mesmo com todos estes entraves, tal projeto foi implantado pois a incidência de furtos nos poços de petróleo era bastante grande na região e o custo justificava tal projeto. Optei pela operadora que melhor se adequava a região, os CLP’s utilizados tinham um programa de conexão, via internet, com um endereço IP válido para a Petrobras e por determinada porta, fazia-se então a autenticação do equipamento no firewall e este redirecionava o tráfego para o endereço IP de determinado computador rodando Linux, onde o programa de recepção de dados estava baseado. Neste computador havia um servidor OPC onde eram inseridos os dados recebidos e então coletados pelo supervisório que os apresentava aos operadores da central de controle.
Dada a eficiência do projeto, deu-se a implantação da redundância da comunicação de dados das estações via este sistema, gerando substancial economia financeira para o período.
Também deve-se destacar a implantação de uma rede WAN, para controle de injeção de gás nos poços. Tal rede servia-se de um roteador comum, desses utilizados em qualquer residência, wireless interligado a uma antena omnidirecional 360 cobrindo uma área próxima a 20 km. Nos satélites ou pontos de controle utilizava-se antenas direcionais com alto ganho. Desta forma, em uma rede independente, rodava-se um software de controle capaz de otimizar tais injeções otimizando a produção, além de remotamente poder-se fazer injeções esporádicas. Evidentemente que a segurança destes locais também estava suportada nesta rede.
Nos últimos 03 anos fui coordenador das equipes de manutenção dos sistemas de instrumentação e automação além de pequenas implantações inerentes a área.
Durante o período, ministrei vários treinamentos com aos colaboradores da equipe voltados a programação dos vários CLP’s existentes no campo assim como dos vários protocolos de comunicação existentes.
Neste mesmo período ministrei vários cursos de programação de CLP’s e supervisórios pela NCCAutomação, colaborando na formação e ampliação do conhecimento de mais de 50 profissionais. Esporadicamente estes cursos eram ministrados em sindicatos patronais ou classistas de forma gratuita, contribuindo para a formação de eletricistas e operadores de máquinas automatizadas.
Também via NCCAutomação eram prestados serviços de manutenção em CLP’s e supervisórios para empresas da região, inclusive para o setor de prensas da Ford na cidade de Camaçari-BA.